Obrigação de transferir dados (TC2 e folha de pagamento) de subcontratados (limpeza) empreiteiros

21 Janeiro, 20150
subiendoA relação criada entre grandes empresas e seus subcontratados é particularmente complexa, atingindo dessa relação à responsabilidade solidária da empresa-mãe. Essas responsabilidades são de trabalho particularmente relevante dado que o artigo 42.2 do Estatuto dos Trabalhadores exige que o contratante principal solidariamente responsáveis ​​a ser obrigados a cumprir as obrigações de conformidade travar natureza e referiu-se à Segurança Social durante o período vigência do contrato.

Para evitar essas responsabilidades e nos termos do art. 42,1 ET, as grandes empresas que contrato ou subcontrato com outras empresas que executam obras ou serviços devem assegurar que tais empreiteiros estiver em dia com o pagamento de contribuições para a segurança social. Para realizar esta verificação grandes empresas devem procurar por escrito, identificando a empresa em causa, a certificação negativa descoberto no Tesouraria Geral da Segurança Social, sendo forçado a contrair seu contributo dentro de trinta dias improrrogável. Após este período, a empresa-mãe são isentos de responsabilidade.


Lei Orgânica de Protecção de Dados (LOPD).

Até 2009 alguma confusão reinou sobre a legalidade e aplicabilidade ou não a transferência de dados, tais como TC2 e folha de pagamento das empresas subcontratadas. No entanto, naquele ano, a Agência Espanhola de Protecção de Dados (AEPD) corrigida com precisão a sua posição sobre esta questão e publicou o Relatório Legal 0412/2009, que variou a alegação feita até que o tempo não permitir a entrega desta documentação . Lembre-se, neste ponto do artigo 42.1 do Estatuto dos Trabalhadores, que dispõe:

“Os empregadores que contratam ou subcontrato com os outros para a realização de obras ou relevantes para a actividade desses serviços devem garantir que essas empreiteiras são atuais no pagamento de contribuições para a segurança social. Efeito, devem obter, por escrito, identificando a empresa em causa, a certificação negativa descoberto no Tesouraria Geral da Segurança Social, que vai inevitavelmente entregar tal certificação no prazo de trinta dias não-extensíveis e nos termos estabelecidos em regulamento. Após este período, é exonerado de responsabilidade do empreendedor requerente ”

A interpretação literal do artigo 42.1 do ET pode-se concluir que a comunicação de dados, como TC2 e folha de pagamento não permite contar com ele, como o método a ser seguido pelo contratante saber que seus contratos são atuais no pagamento quotas de segurança social é através do negativo certificada descoberto no Tesouro para ser apresentado pelo subempreiteiro, porque caso contrário responsável pelo cumprimento dessas obrigações. Isto privaria empreiteiros informações valiosas para evitar ter de assumir dívidas decorrentes de seus contratos.

Para evitar essa situação e permitir a transferência dos dados de empregados de empresas terceirizadas para empreiteiros, a AEPD se baseia no artigo 10.2 dos regulamentos de aplicação da Lei indicando que o tratamento ou a transferência de dados é possível informações pessoais sem o consentimento da pessoa em causa quando autorizado por um regulamento com força de lei ou uma regra do direito comunitário e, em particular, como concur um dos seguintes pressupostos:

a) É autorizado por um regulamento com força de lei ou uma regra do direito comunitário e, em particular, após a ocorrência das seguintes hipóteses:

Tratamento ou eliminação se destinam a satisfazer um interesse legítimo do controlador ou do destinatário garantida por estas regras, desde que sejam substituídos pelos interesses ou direitos e liberdades fundamentais das pessoas em causa previstas no artigo 1 da Lei Orgânica 15/1999 de 13 de Dezembro.
Tratamento ou transferência de dados necessários para o controlador cumpre um dever imposto qualquer uma destas regras.

b) Os dados processados ​​ou cessão contido em fontes acessíveis ao público e o controlador de dados ou o terceiro a quem os dados sejam comunicados, tem um interesse legítimo em seu processamento ou conhecimento, desde que os direitos não sejam violados e liberdades fundamentais da pessoa em causa.

Em relação ao ponto b) indicam que o Supremo Tribunal, no seu acórdão de 8 de Fevereiro de 2012, decidiu que a legislação espanhola contém restrições quanto ao contrário das disposições da Directiva 95/46, quando permitindo o processamento de dados fontes não-públicas pessoais é contrária ao direito comunitário. Assim, a anulação deveria permitir o tratamento ou a transferência de dados pessoais sem o consentimento desde que o controlador de dados tem um interesse legítimo na mesma e os direitos fundamentais da pessoa em causa são respeitados.

Por todas estas razões, para a utilização ou transferência de dados pessoais se o consentimento do indivíduo, exceto que eles devem ser dadas em fontes públicas é eliminado.

Assim, a atribuição do TC2 seriam cobertos pelo artigo 7.3 da Lei 15/1999, conjugado com o artigo 42.2 do Estatuto dos Trabalhadores e na medida em que o Código Civil impõe obrigações conjuntas e todos são I reforçada pelo julgamento do TS 8 fevereiro de 2012.

Para folhas de pagamento poderia representar um problema adicional porque neles como dados de filiação sindical pode aparecer para o pagamento das taxas aplicáveis, sendo este um tipo de dados especialmente protegidos. Mas desde que o pagamento dessa taxa é uma obrigação do empregador e este é solidariamente, no caso da relação entre o contratante eo subcontratante, a AEPD utiliza um semelhante ao argumento caso anterior também declarar essa atribuição como com a LOPD.

Sim, o relatório adverte legal:

“Em qualquer caso, o acesso por parte do contratante deve ser limitado a dados relacionados com os trabalhadores contratados e não a quaisquer trabalhadores subcontratados”.

Assim, se o contrato, voluntariamente ou cometer um erro, ou TC2 fornece a folha de pagamento de seus próprios trabalhadores que não servem para o contratante está em violação da Lei de Protecção de Dados.

Ao mesmo tempo, o fato de que a comunicação de dados ser protegido pela referida Lei 15/1999 de itens não isenta o prestador de serviços do dever de informação sobre trabalhadores contratados da transferência da sua dados para o contratante, uma vez que o artigo 5.1 a) da Lei orgânica impõe ao arquivo o dever de informar sobre os destinatários de transferências de dados ter ocorrido.

Ao fornecer uma data “histórica”, indicando como ele mudou a posição da AEPD, observou que em seu relatório de 21 de Janeiro de 2007 e no seu relatório 0337/2008, a AEPD manteve uma posição diametralmente oposta e expressou a seguinte maneira:

“Sob nenhuma circunstância pode se comunicar nem TC2 ou folha de pagamento ou relatórios médicos, já que a informação (neles) são dados especialmente protegidos e Artigo 7.3 da Lei Orgânica de Protecção de Dados estabelece que para a atribuição ocorre é necessário ou o consentimento expresso do afetada ou que a lei prevê. Nem Estatuto dos Trabalhadores e da Lei sobre prevenção dos riscos profissionais requer a comunicação de tais dados para a empresa contratante “sendo” garantia de indenização do contratante (…) garantida mediante a obtenção desta certificação (certificação artigo 42.1 do ET), sem exigir que seja necessário para acessar qualquer outra informação sobre os trabalhadores que prestam serviços ao subcontratado “.

Afortunademente, para a tranqüilidade das empresas líderes, a AEPD no seu Relatório Legal 0412/2009 retificado nos termos acima referidos.

Obviamente, estas obrigações de entrega e TC2 folha de pagamento chegar a todos os contratos em mão de obra direta intensiva entre os quais estão a limpeza e segurança.

NOTAS:

Relatório Legal 0412/2009 AEPD
Guia para Relações Trabalhistas da AEPD. (Transferência de folha de pagamento e os trabalhadores TC2 subcontratado a terceiros)

LOCALIZAÇÃO

Trabalhamos em Espanha e Portugal



RR.SS.

Siga-nos

Todos os nossos desenvolvimentos em nossas redes sociais e na seção de notícias.