Sentenças contra a sucessão de negócios e contrato de sub-rogação pessoal

25 Junho, 20140

São coletados, em seguida, algumas notas contra sucessão corporativa que poderia condicionar ou sub-rogação do modelo do contrato se o cliente decide realizar limpeza diretamente.

Prevemos que as decisões diante de nós são simplesmente devastador para as empresas que foram feliz instalados na sucessão confortável e interminável de recrutamento de pessoal para os locais de trabalho e sub-rogação posterior, sem a menor responsabilidade final pelo que contratou , que se mudou para o centro e os acordos que assinaram.

Pode ser o fim da cadeia de destacamento, sub-rogação e chargeback cliente. Também eles colocaram o objetivo de olhar para modelos antigos carregados.

Entendemos que estas declarações marcar um antes e depois, e empurrou a limpeza de edifícios e local para uma maior transparência, profissionalismo e acima setor toda a responsabilidade.
A Demonstrações devastador para os interesses de limpeza contrato

De acordo com as disposições do Acórdão do Supremo Tribunal de 17 de Junho de 2011, não procederia a sub-rogação do pessoal que está servindo atualmente, observando que não há nenhuma obrigação de tomar, por sub-rogação de negócios, os funcionários da empresa prestadora serviço de limpeza, nos casos em que, uma vez produzidos a reversão de serviço, este é directamente fornecido neste caso por um conselho da cidade.

Relatamos o caso, a cidade de Yunquera de Henares, que passou a executar tarefas domésticas directamente, e terminou no referido acórdão do TS:

Não Tribunal sociais. 2 de Guadalajara, no caso 633/09, acórdão de 30 de julho de 2009, no caso de internalização de tarefas domésticas Hon. Ayto. De Yunquera de Henares condena o contrato por um período de cinco dias (no caso de não fazer entende-se que opta pela readmissão), restabelecer o autor trabalhador ou indemnização no montante resultante da aplicação da disposto no art. 56 do Estatuto dos Trabalhadores com remuneração de quarenta e cinco dias de salário por ano de serviço, rateado por períodos inferiores a um ano até mês para quarenta e dois meses. Da mesma forma, o contrato está condenada ao pagamento de processamento de salários acumulados desde a eficácia do despedimento até à data da notificação do presente acórdão (ambos inclusive). A decisão absolve o Hon. Ayto. De Yunquera de Henares de cada uma das alegações contra ele foram feitas.


A Câmara do Supremo Tribunal de Justiça de Castilla-La Mancha, num acórdão de 01 de junho de 2010, estima o apelo súplica feita pelo contrato contra o acórdão de 30 de Julho, 2009, emitido pelo Tribunal de lo social n. 2 Guadalajara (autos 633/09) de despedimento, os operaria sendo apelada festas de despedida e a cidade de Yunquera de Henares. A decisão reverte que o julgamento do tribunal de trabalho e estimar a demanda por operaria sobre a cidade de Yunquera de Henares e rejeitá-la em relação a URBASER S.A. O TSJ de Castilla la Mancha, declarou demissão inadmissível pela Câmara Municipal referido recorrente, datada de 01/04/09 e condena efeitos à sua escolha (para exercer por escrito ou ouvir cinco dias a partir da notificação desta) a readmitir ou vai pagar uma indemnização de 5,186.30 euros, uma vez que pagou os salários devidos a partir da demissão à notificação da sentença a uma taxa de 34,61 dias euros. Assim absolve o contrato.
recurso apresentado, Ward 4 decisão da Suprema Corte no seu acórdão de 17 de Junho 2011 Moradia e anulado o acórdão do Tribunal de Castilla-La Mancha Superior e absolve a cidade de Yunquera de Henares declarou julgamento final do Tribunal do social # 2 de Guadalajara (autos 633/09) condenando o contrato para repor ou compensar o operador.

escisión de una contrata de servicios de limpieza en un ayuntamiento que decide realizar esta actividad de forma directa, contratando para ello a nuevo personal. La plantilla de la contratista, como consecuencia de la rescisión de la contrata, fue despedida. Frente a esta decisión se interpone demanda por parte de una trabajadora de la antigua contratista reclamando su derecho a continuar vinculada a la actividad de limpiezas del ayuntamiento, por considerar que se trata de un supuesto de sucesión de empresas. El Juzgado de lo Social consideró improcedente el despido de la trabajadora, sentencia que fue recurrida por la empresa. En estas circunstancias, el Tribunal Superior de Justicia de Castilla- La Mancha planteó al TJUE una cuestión prejudicial para conocer si, en este supuesto concreto, resulta de aplicación la Directiva 2001/23 CE del Consejo, de 12 de marzo de 2001, regulatoria del mantenimiento de los derechos de los trabajadores en caso de traspaso de empresas, de centros o partes de empresas o centros de actividad. En primer lugar, el TJUE entiende que la Directiva 2001/23 es aplicable a empresas públicas que ejerzan una actividad económica. Sin embargo, para que esta resulte aplicable, es necesario que la transmisión tenga por objeto una entidad económica que mantenga su identidad tras el cambio de titular. Según interpreta la Sala, para que esa identidad se mantenga es imprescindible que el cesionario se haga cargo de la mayor parte de la plantilla en los supuestos en que la entidad descansa esencialmente en la mano de obra, como lo es el caso de la prestación de un servicio de limpiezas. Por consiguiente, el TJUE entiende que no resulta de aplicación la Directiva 2001/23 cuando un organismo público rescinde una contrata para desempeñar de forma directa el servicio, contratando para ello nuevo personal, al no mantenerse la identidad en la entidad económica traspasada. Si usted puede estar interesado en internalizar el servicio de limpieza de su empresa puede ponerse en contacto con nosotros en el correo electrónico info@pilotccs.com.

Além disso, o Acórdão do Supremo Tribunal de 26 de julho de 2012 falhar em termos idênticos e condena o contrato para compensar ou repor os trabalhadores e absolve a cidade de Roda. É particularmente importante que, para o serviço do centro de reciclagem, a Câmara Municipal, havia criado a infra-estrutura necessária, lugar condicionado e dispostos contentores de reciclagem e derramou para os operadores, bem como horários de abertura e fechamento de tais instalações e controlar as actividades de ponto de recolha. O julgamento cobrir os motivos da sua decisão que mesmo sendo limpeza de ruas competição municipal, ser assumida pela Câmara Municipal e por conta própria não faz dele uma empresa dedicada à actividade de público, estrada, etc limpo, como foi o caso o contratante que acrescenta em qualquer caso, não pode ser considerada a equipe sub-rogação aplicável previsto no artigo 49 do Setor de Limpeza Viária Acordo general Post

A questão que se coloca diz respeito à possibilidade de aplicação a uma entidade pública, neste caso um município, um padrão convencional desenvolvido dentro de um setor, que dá nome ao acordo negociado por aqueles que têm de pé neste sector . A este respeito, o julgamento baseou contraste contém a doutrina que, em parte, foi mencionado na fundação anterior e adiante reproduzidos na íntegra:

a) O acórdão do Tribunal de 10/12/08 (RCUD. 2731/07), com a nomeação de 10/28/96 (RCUD. 566/96), observou que “o acordo coletivo não pode (.. ..) em seu conteúdo normativo, estabelecer as condições de trabalho para eles faria empresas que não foram incluídos no seu âmbito. para deixá-lo esclareceu a arte invocado. 82.3 do Estatuto dos Trabalhadores prever que os acordos colectivos regulamentados pela título III exigem todos os empregadores e trabalhadores incluídos no seu âmbito em que só pode ser entendido que formalmente ou institucionalmente, foram representados pelas partes na negociação do acordo “como” a empresa que assume a limpeza faz seus próprios locais de trabalho (….) não desnatura nem alarga o âmbito funcional da empresa que assume tal atividade (…) e, portanto, o simples facto de uma empresa decide limpar suas instalações ou centros de tr -se diretamente com seu próprio pessoal, embora isso seja novos recrutas, não faz qualquer maneira como uma empresa dedicada à limpeza dos edifícios e instalações externas. ”

b) De acordo com o critério apenas expressa, mas a limpeza de rua é uma jurisdição municipal sob Arts. 25 e 26 da Lei 7/85, de 2 de Abril, as Regras Locais, nem o fato de que a cidade assume esta rua limpeza de sua própria entidade local faz uma empresa dedicada à limpeza público, estrada etc., como acontece com o empreiteiro deixou no contrato para a execução do serviço que tinha sido premiado com o Conselho da Cidade, até porque essa suposição o serviço poderia ser feito sem força de trabalho (art 6 da Convenção Geral repetido. Sector).

c) Em qualquer caso, não pode ser considerado aplicável no caso presente é a rogação do pessoal regula arte. 49 da rua Acordo Geral do Setor Público limpeza, etc, a fim de contribuir e garantir o princípio da estabilidade no emprego, porque, de acordo com os critérios que discutimos acima, a absorção de pessoal só é esperado “entre aqueles acontecer, por qualquer um dos tipos de contrair a gestão dos serviços públicos, concessões de serviços ou de outra forma, em uma atividade regulada particular no âmbito funcional do acordo”, afirmando na arte. 52 pessoal de sub-rogação “operar em todos os contratos casos de substituição …”, é evidente que a Câmara Municipal tinha adjudicado o serviço de limpeza de ruas a uma empresa do setor, quando rescinde essa adjudicação e assume execução direta serviço público não age como outro contratante setor para um novo prêmio ou acontece em um contratações contratante anteriores.

À luz da resolução acima, deve-se notar que nenhuma evidência qualquer transferência de ativos ou estrutura organizacional nem a assunção pelo co-réu cidade de uma parte substancial da força de trabalho, de acordo com os parâmetros que cita o julgamento do mérito e e serviram como critério definidor positivo para sub-rogação em

É, finalmente, particularmente relevante, o acórdão do Tribunal de Justiça da União Europeia, Terceira Secção de 20 de Janeiro de 2011. O conflito começou com a rescisão de um contrato de serviços de limpeza em um município que decide fazer isso atividade diretamente, a contratação de novos funcionários para isso. O pessoal do contratante, como resultado da rescisão do contrato, foi demitido. Confrontado com esta afirmação decisão é arquivado por um trabalhador contratado ex-reivindicando seu direito de continuar ligada à actividade de limpeza do Conselho, considerando que este é um caso de sucessão empresarial. A Justiça do Trabalho considerou inadmissível a demissão do trabalhador, determinando que foi apelada pela empresa. Nestas circunstâncias, o Tribunal Superior de Justiça de Castilla La Mancha referiu-se ao TJCE para uma decisão prejudicial para determinar se, neste caso particular, é de aplicação da Directiva 2001/23 CE de 12 de Março de 2001, o regulador manutenção dos direitos dos trabalhadores em caso de transferência de empresas, estabelecimentos ou partes ou empresas. Em primeiro lugar, o Tribunal de Justiça entende que a Directiva 2001/23 é aplicável às empresas públicas que exercem uma actividade económica. No entanto, para que isso seja aplicável, é necessário que a transmissão é contra uma entidade económica que mantém a sua identidade após a mudança de propriedade. Tal como interpretado pela Câmara, de modo que a identidade é mantida é essencial que o cessionário assume a maior parte da força de trabalho nos casos em que a entidade essencialmente na mão, como é o caso da prestação de serviço de limpeza. Assim, o TJUE entende que não se aplica a Directiva 2001/23 quando um organismo público rescinde um contrato para executar o serviço diretamente, a contratação de novos funcionários para que, ao não manter a identidade da entidade económica transferida.

Se você pode estar interessado em internalizar o serviço de limpeza sua empresa pode entrar em contato conosco no info@pilotccs.com e-mail.

LOCALIZAÇÃO

Trabalhamos em Espanha e Portugal



RR.SS.

Siga-nos

Todos os nossos desenvolvimentos em nossas redes sociais e na seção de notícias.